27 março 2007

Feitiço da Lua


... Tirou a estrela dourada que lhe prendia o negro cabelo no alto da cabeça e deixou que o vento os beijasse. O vento aproximou-se e fez-lhe as vontades. Encostou os lábios de leve e selou-lhe em forma de brisa aquilo que ela tanto ansiava: um beijo sem dono e sem razão.
Seguiu o caminho em direcção a lua acompanhada pelo silêncio. Seguia pegadas de prata impressas no índico e parou somente quando encontrou o cruzamento do poente, a curva do horizonte. O ponto onde tudo começa e termina. O fio de amor e desamor entre o céu e a terra.
Parou. Baixou as asas e as transformou em pés de sereia. Colocou-se na ponta deles e segurou a imensa lua com mãos de libelula. Viu então que a lua se reverenciava perante deusa tão ousada. Não se conheciam. Amavam-se apenas.

Na consciência, a certeza da velha sabedoria de que não é permitido que uma deusa se misture a um espírito. Ela, a deusa. A lua, o espírito da noite que sai apenas para se banhar no mar, quando escurece.
A lua se transformou em imensidão nas mãos delicadas da deusa e se deixou acarinhar por elas. Carícias proibidas que a faziam esvaziar em luz e escorrer por entre os dedos finos da deusa.
Era feitiço da terra ciúmenta. Xicuembo preparado na alma. Puro e instantâneo. Sangrava luz nas mãos da deusa.

De imediato ela soltou a lua e a pendurou de novo na noite. Deixou-a onde a séculos pertencia, ao prumo do horizonte. Ela, a Deusa, bateu asas e voou levantando poeira na areia que lhe acolheu a tristeza. Lá ela entendeu que deuses e espíritos não comungam amores.
Amam em liberdade...

16 comentários:

Verde disse...

Nasci do sublime amor de um Deus e o azul do arco-íris, navego em um mar de luz, transformo cor em amor, sou aquele que te dirá onde pára o eco da palavra…

Profético beijo

Isto e meu...Silvia disse...

Não importa se estás perto ou longe, o que importa é
que existes para que eu possa sentir tua falta.

Voltei a este mundo;)

Beijos.........

Oº°'¨ Jefferson ¨'°ºO disse...

Fico impressionado com a tamanha criatividade sensual que esta garota possui. Você é uma fonte de erotismo. Parabéns.

Crónica disse...

Olá...
sinto que andas a fugir de mim
:)
o Clandestino quase me deu o teu msn... mas dps veio com uma desculpa demasiado esfarrapada para o meu gosto...
enfim
vim deixar-te um jinhu crónico

L.S. Alves disse...

Vai pra aquele lugar Diva! Vou quebra minha caneta e jogar fora. Depois dessa minhas pretensões de escritor já eram. Lindo. Muito bom. Fantasia de primeira. Quando eu penso que não tem mais nada de novo você me aparece com um texto deslumbrante. Bom. Muito bom mesmo.
Um beijo enorme e um abraço apertado. Bem apertado mesmo.

Diva disse...

Verde
Muito bonito o que escreveste, eu também desconfio que sou filha do adultério de algum deus maior.
Bjs meus

Diva disse...

Isto e meu...e silva
Nem imaginas como me alegro com essa novidade... senti saudades mesmo antes da tua partida.
Bjs meus

Diva disse...

Jeff...
Puxa... fiquei vermelha com tamanho elogio!!!!
Bigado.
Bjs meus

Diva disse...

Crónicas,
Fugir de ti? Que ideia é essa??? Sabes que te quero bem pertinho de mim. Tas aqui no meu colaxão miga. Impressão tua…nada mais.
Bjs meus

Diva disse...

I.s.
Com esse beijo especial e esse abraço aconchegante vou para qualquer lugar, desde que me faças companhia. Ah... não joga a caneta nada, ela te traz até mim, não te esqueças.
Bjs meus

chapa100 disse...

a lua nunca emigra. emigramos nos, cansados.

Jacome D´Alva disse...

Os deuses e espiritos comungam amores sim. São amantes daqueles que os querem e os entendem. Ou não foram eles que uma noite te enviaram até aqui para na noite seguinte te raptarem? Vou mandar fazer um xicuembo da terra a ver se voltas. Daqueles xicuembos eternos, viajantes do mundo que não pedem fidelidade ou retribuição mas antes agarram cada momento na memória.

Diva disse...

Chapa 100
Sim. Verdade... Migrar torna tudo mais suave, principalmente quando estamos cansados do comum.
Bjs meus

Diva disse...

Jacome
Deuses e espíritos não comungam amores...o querer e o desquerer não consegue atravessar a curva do horizonte. Espíritos acabam confundindo tudo e começam a querer ser deuses mesmo sabendo que nunca poderam ser. Deuses são imponentes demais quando fora dos lençois de estrelas. Fui e voltei, sim... tudo não passou de brincadeira de um Deus sádico (ou brincalhão, quero acreditar).
Bjs meus

P.S. Xicuembos eternos não existem... quebram-se no momento em que o infinito da memória se faz esquecer.

Su disse...

Bem... estou deveras impressionada!
Se és mesmo tu q andas aqui a escrever... se estas palavras te saiem de dentro... bem, temos aqui poeta á solta!
nota 10...
bjs

Diva disse...

Su
Yap...ainda sou eu que escrevo por aqui...
Bjs meus