09 maio 2007

304


304 é o número do quarto de hotel onde ele estava hospedado. Segui as instruções da recepcionista e não deixei que a ansiedade me dominasse. Já nos conhecíamos a duas semanas e aquele momento parecia a muito marcado. Reencontro prefiro agora dizer, porque a sensação do conhecimento se fazia sentir em nós. As horas infindáveis de conversas e promessas nunca feitas se resumiriam naquele encontro de corpos. Já tínhamos feito amor com as palavras a imenso tempo, cada vez que nos falávamos mesmo contra a nossa vontade em pouco tempo descobriamos que os nossos desejos se acariciavam e que o encontro em alguma cama de hotel seria inevitável.

Cheguei ao 304 e fui de imediato recebida com um enorme abraço, ele aparentava uma calma de quem sabe o que faz que me deixou muito menos ansiosa. As minhas mãos tremiam vontade, mas o aconchego do corpo dele não parecia ter pressa de ultrapassar as barreiras da roupa, muito pelo contrário, ele teimava em viver intensamente cada segundo daquele desatino. Flores, bombons e um belo vinho tinto transformavam um simples quarto de hotel num ninho de amor belo e romântico. Eu me deliciava a conhecer tal faceta daquele homem que se entregava a mim em cada gesto oferecido na paixão de quem sabe exactamente onde quer chegar. A conversa fluía muito lentamente entre nós, a cumplicidade de olhares começava a pegar fogo. Percebi que ele ia com calma fazendo com que eu relaxasse na plenitude. Gostei disso.

Pegou cuidadosamente na taça de vinho que dividíamos e a colocou na cabeceira da cama. Senti o coração quase sair do peito quando a boca dele beijou pela primeira vez a minha e em pouco tempo se perdia no meu pescoço. Desabotoou-me a blusa com uma delicadeza pouco usual e me encheu os seios e o ventre de beijos quentes e húmidos. Falava baixinho meu nome como se rezasse um rosário de poemas ainda por escrever. Meu corpo de mulher reagia a tal adoração com fervor...

Em pouco tempo eu estava nua e com ele de joelhos para mim... Entreabriu-me as pernas e com a sua boca quente apossou-se do centro do meu prazer, a sua língua escorregava dentro de mim fazendo-me contorcer de tanto tesão, sugava com mestria cada fluido que de mim brotava, gemi com vontade seu nome e me esfregava ao lençol quase pedindo piedade por tanto prazer. Foi inevitável que me viesse minutos depois na sua boca com orgasmo inteiro, propagado em ondas pelo corpo nu. A sua boca subiu então novamente até aos meus seios por minutos intermináveis ele se dedicou a beija-los, mordisca-los e lambe-los sem pressa. Com o olhar pedi mais e ele se colocou então por cima de mim e me penetrou intensamente obtendo como resposta a pressão das minhas unhas na carne o rebolar involuntário das ancas tentando me ritmar ao entra e sai da sua masculinidade em mim.

Me sentia espectadora do prazer, as posições do sexo, pareciam secundárias que de tão anestesiada mal me lembro na exactidão dos momentos de troca, de reviravolta ou de tudo mais que ali acontecia. A minha entrega era total percebendo que a dele se comparava em quase tudo ao sinónimo de que querer nunca seria demais ali entre nós. Não haviam agora limites...O êxtase chegou finalmente, suado e poderoso, entre gemidos e silêncios sufocantes, na fracção dos segundos éramos um só.

No calado abraço que se seguiu, a promessa de que a noite estava apenas começando!


13 comentários:

João Cordeiro disse...

Belissímo texto. Cheio de sensualidade e paixão arrebatadora.

Parabéns pela ousadia do teu texto.

Sutra disse...

Parabéns, parabéns, pelo texto :-)

O estaminé atingiu o milhao de visitantes e tu fizeste parte deles. :-)

Beijo doce

L.S. Alves disse...

Diva ótimo como sempre.

A.S. disse...

Simplesmente arrebatador!...mmmmm

un dress disse...

e
X

plo


S


i



V

eee!!!



beijo.DIVA :)

Bruno disse...

Arrebatador, Diva!

chapa100 disse...

e a noite comeca. e donde comeca? no beijo que elastica-se? na anca que desnuda? ou no medo do dia nascer?

Crónica disse...

Divina....
Jinhuz

heresias consentidas disse...

olá
mt bunituh este texto! todavia, faltam pormenores importantes à narrativa descritiva, como, por exemplo, a marca do vinho, o local, o hotel, etc...

xi-coração
herc

delusions disse...

um começo muito bom. arrebatador e intenso. como sempre nestes momentos-de-vida.

Bjs* bom resto de semana

SentidoS disse...

Sensuais e poderosas palavras. Encantada criatura, desejoso sentir, intenso prazer, entrelaçada mulher pura. Um bom fim de semana.

Beijo Sentido

Marcelo disse...

Aiaiai...
Em breve vou estar nessa cena, me aguarde.
Inspirador, menina.
Belo, belo.

Smack!!!

Vity disse...

Ola...
Com quanta sensualidade escreveste o encontro dos "corpos" cujas "almas" já se pertenciam .... já se tinham "tocado" através das palavras.
Num qualquer numero de um qualquer motel já experimentei essa emoção...
Parabens pela forma maravilhosa com que escreves.
Beijo
Vity