26 maio 2007

Puta da Vida


Entrou completamente molhada no primeiro bar que viu naquela rua movimentada. Sentou-se na mesa mais distante que encontrou e inspirou o cheiro de perfume barato e cigarro que se perdia no ar. Parecia alienada a tudo. Limpou as lágrimas e engoliu o choro. Não sabia muito bem onde estava e nem isso lhe interessava, pois nem pensava na hora tão perdida no relógio do tempo da sua vida sem vida. Pessoas como ela rondavam como zombis o mesmo território, desgastados, exaustos, suspensos numa agonia de não saber aonde ir. Apenas a chuva reinava naquela madrugada muda onde, somente ela sabia da verdade e do motivo daquela estranha mulher querer estar longe de tudo e de todos.

O som da música tomava conta dela a cada minuto, e na tentativa de se auforriar ela perseguia o ritmo do som, imitando uma puta experiente que não sabe mais amar, recebeu então o primeiro olhar de um estranho sentado na mesa ao lado. Ele a olhou dentro do espírito e ela se encontrou no olhar.
Não pensou. Agiu.
Levantou-se e dirigiu-se a ele sem nunca parar de olhar, imaginou que seria um turista apaixonado por mulatas e lhe ofereceu o corpo. Por 100 dolares sou tua lhe disse. Agora, repetiu. Ele nada respondeu, recolheu de imediato seu laptop aberto, os pápeis brancos e a caneta montblanc, pagou a conta e sairam sem movimentar um músculo que fosse das faces molhadas pela chuva teimosa.

Entraram no primeiro motel que encontraram. Ela olhou pela janela e descobriu que queria ser chuva. Ele em silêncio se despia enquanto percebia que queria ser terra.
Ela tentou virar-se e ele não permitiu.
Ele tentou beija-la e ela não consentiu.
Continuou virada enqunto as mãos deles lhe percorreram as pernas e lhe entreabriram as coxas fazendo com que a pele se arrepiasse involuntariamente. Tirou-lhe a calcinha e de joelhos lhe beijou as nadegas firmes. Seus mamilos reagiram de imediato se arrebitando e pedindo atenção que ainda não lhes tinham sido concedida. Pôs-se por baixo dela e delicadamente beijou-lhe o centro do prazer. O botão de mulher se enfeitava feito rosa em nascimento e ela gemeu sem voz. Ele continuou saboreando o gosto daquela puta cor de canela.

Em poucos minutos ela sentiu seu corpo espasmar num orgasmo parecido com o pôr do sol na savana da sua aldeia. Ele percebeu e admirado continuou o seu trajecto pelo corpo daquela mulher muda e puta.
Encostou-lhe a janela humedecida pela chuva e penetrou a sua masculinidade entre as pernas entreabertas. Escorregou para dentro do calor e da humidade de mulher oferecida e continuou dentro dela sem se mexer. Segurou-a pelas ancas e permitiu que ela o guiasse pelo caminho do prazer. Ela nunca antes se tinha sentido assim... necessária. Pura e impura por querer. Naquele movimento obsceno ela se tormou dona dele. Rebolava o rabo e as ancas, fazendo-lhe mais perto dos seus anseios do momento.
Ele nada pensava. Não conseguia. Amava como nunca antes.
Ela nada pensava. Não podia. Sonhava como futuro e passado.
Em poucos minutos se entregavam num orgasmo imenso e simultâneo. Cheio de extâse e desconhecimento, entre gemidos e suspiros, nem uma palavra. Ele apenas a beijou no pescoço, um beijo doce e agradecido, nunca antes tinha conhecido uma puta. Agora amava uma, que além de puta, era desconhecida.

Ela sentiu o beijo no coração e na pele. Retribuiu com um olhar estranho mas que ele percebeu sem entender. Agora ela amava um turista que gostava de putas e, além de tudo desconhecido.
Ele pagou.
Ela saiu.
Nenhum adeus. Nenhuma palavra.

Encontraram-se dois meses depois num jantar oferecido pelo governador da cidade.
Ela, professora de português da melhor universidade da cidade e esposa de um executivo da maior multinacional de navegação do país.
Ele, o novo chefe do marido dela.

P.S. O texto é longo, mas não reclamem, têm o fim de semana todo para o lerem. Um dia conto a verdadeira história deste texto, ou então perguntem ao I.s. que ele sabe. Bom final de semana. Bjs meus...

14 comentários:

zeze disse...

Olá Diva

Muito bom o teu texto, mas confesso que fiquei muito curioso sobre ti...

Beijoka

A.S. disse...

Um belissimo texto, bem escrito, bem planeado e sobretudo com uma sensualidade que desperta todos os sentidos... Adorei!


Um terno BeijOOO...

Dawa disse...

Não achei longo. Adorei e li todo de seguida, sem sequer parar para respirar... Muito bom mesmo.
Adoro estes teus contos e mais uma vez adorei a foto. ;)
Bom fdsemana!
Beijinhos!

©õllyß®y disse...

Desperta os sentidos neste belo texto...
Será que é a vida???

Meu doce beijoooo

o alquimista disse...

Saio com a cabeça à roda...

Os teus pés são navegantes na espuma, o teu cabelo dança em descuidada ironia, suave viagem de ondulante onda em tua boca, duas sílabas sopradas em mágica melodia...


Bom fim de semana


Doce beijo

Amor disse...

Este final está bombástico!... :) Embora pareça que não esse tipo de situação até é algo frequente...

Obrigada pela visita

Abraço carinhoso.

Carol Montone disse...

Que motivos teríamos à reclamar...foi ótimo. Quase gozei lembrando das sensações descritas que já tive e outras que imaginei. Texto de intensidade dramática e sensual na medida exata ....parabéns...gostei muito....
beijos

Escorpiana Explosiva disse...

muito legal o texto realmente fique curiosa para saber o fim,bom fds

Lu@r disse...

Intenso, erótico e maravilhoso.

Deixo um beijo em ti

un dress disse...

...gemeu sem voz...:)...


retive.



beijO.diVa

Marcelo disse...

Afeão, que texto deliciosamente sexy!!!
Isso não vale.
Em um frio desses e com minha gata longe de mim, é tortura ler isso hahahaha.

Beijos, beijos.
Vou lá telefonar pra ela =P

Dias... disse...

ESPECTACULAR!!!!!!!!!!
Uma historia riquíssima (pela marginalidade intelectual das personagens) contada de uma forma muito cativante

Era comprido o texto? Não notei, li com MUITO prazer :)

Beijo

Diva disse...

Bom Dia... Boa Semana!
Bjs meus

Paulo César RC disse...

... Nossa ...