12 fevereiro 2008

Por instantes...

A insanidade entrou nela com a mesma facilidade que o brilho da lua adentra o zinco esburacado de uma cubata de sonhos. Sentiu o primeiro impacto, aquele que todos os mortais sentem no momento da chegada.
Tremeu sem doçura respondendo ao único impulso que seu corpo pedia. Deixou de ser carvão para ser fogo no mesmo instante. Nos sentidos a magia de uma busca que nunca termina. Beijou-o como fera assanhada e com fúria fê-lo ficar de joelhos perante aquilo nunca se compreenderia. Entreabriu as coxas e com um simples olhar ordenou que sorvesse nela o mel feito apenas para o deleite do mais infiel dos infíeis...

E assim ela se doou em reza... nele, permitindo-se em poucos segundos jorrar das entranhas um orgasmo que deixou de ser verdade para se repousar na fantasia.

9 comentários:

Kapikua disse...

daaaassssss!!!!

Partiste-me todo...

quando me recompuser passarei para um comentário menos animalesco!

Beijo

:) disse...

Loucura... adorei o texto, muito bom!

Estas de parabéns hoje, e sempre.

NAELA disse...

Deixaste-me sem palavras...mais uma vez! Que posso dizer? Que esta deveras lindo!!!
Parabens e um beijo

Kapikua disse...

A tua Tusa dá cabo de mim...

Beijo

markus disse...

Diva,
palavras sensuais, para uma foto espectacular.Parabéns.
Um beijinho com votos de boa semana***

Noivo disse...

está brutal!

Pearl disse...

O teu escrever é mesmo muito real!!!
:o)))***

Falando de Amor disse...

É de tirar o fôlego, imagem e texto...bjos poetisa!

Salve Jorge disse...

Ele mais que a conhecia
Lhe devorava
Ela era o mapa
Tinha sobre ele a primazia
Ele era cativo da lava
Que o solapa
Da chama
Da trama
E de qualquer energia
Que ela tanto vertia
E a cada rodopio
A cada deslizar
Um espasmo
Um rebolado
Um calafrio
Uma arte de gozar
E ele lhe invadia
Entre o beijo
E o encejo
De um delineio
Entre a profundidade
E o precipício
E me delicio
Com seu vício
E mais uma vez do início
Lhe agracio
E lhe reviro
Por inteiro
Até morrer no cheiro
E na doçura
Dessa sua cintura...