15 setembro 2008

Finais ou Paragrafos?

Num golpe desnorteado, afogo-me na brisa com formato de medo, de avançar para além do horizonte e deixar-te para traz. No fundo é disso que mais tenho medo. Saber que aos poucos as lembranças se tornam tão indefinidas que tenho dúvidas que um dia chegou mesmo a existir uma história.
O vazio começa a preencher-me a alma quase na totalidade, a ira pulsante se transforma numa calma vagabunda que sem timidez aponta os novos rumos a serem seguidos.Tanto rezei para esquecer… Esqueci. Agora a solene e negra calma, sem traumas e cicatrizes se misturam a nostalgia do esforço inútil de te guardar como uma boa lembrança. Nem de mansinho consigo lembrar a tua língua ou o cheiro.

Conduzi-te a saída de mim. Saíste. Resta-me ainda a embriagues, o refugio sem sentido, a falta de inspiração, as prosas mal escritas. Mas até quando???
E quando o ponto final chegar e a ausência tomar inteiramente conta de mim? A paz transparecer e o tempo levar os últimos murmúrios que ainda sopram nos dias de vento e chuva, como hoje? E quando o desconforto do cheiro de acre encaixado no meu corpo despir-se de ti?
Quem habitara em mim?

E se na verdade para escrever preciso de um pouco de tristeza? Morrerei para a escrita?

13 comentários:

Anónimo disse...

...è há quem diga que o poeta se alimenta da dor, há quem diga q ser poeta é ser nada mais q um fingidor... não sei, não sei mesmo, quem sabe! Até lá, escreve, há sempre a possibilidade de haver mais perdas por estes caminhos... e na duvida, cá para mim tu escreves de qualquer maneira a rir ou a chorar, com ou sem magoa, a tua energia querida, é outra!

:)
Beijos do sul.

S.

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Sarava!

Minha querida deixo-te um cheiro do grande vinicius de Moraes que te ajudará a encontrar respostas;)


"Tristeza não tem fim, felicidade sim"


um Xi

Anónimo disse...

acontece aos melhores escritores. principalmente quando a fonte inspiradora seca. mas por certo descobrirás outra em breve. afinal sempre secaram fontes e a humanidade nem por isso morreu de sede.

O Sussurrar do Corpo disse...

Um sussurro

Nanda Assis disse...

é, as vezes sentimos saudades do sofrimento que o amor nos causa, talvez pela sensibilidade que nos toma.
bjosss...

Mahira disse...

Que grande momento!!! :D

Anja Rakas disse...

Baby...Vinicius escreveu suas obras de arte sempre triste..
Ele dizia q ao escrever com tristeza, quem o lia..lia com felicidade...
O sentimento q enaltecia das pessoas era simplesmente divino.
Poucas vezes ou nunca ele escreveu feliz...e sem um copo de Wisky na mao...
Não é defeito...és Tu.
Um bj

Salve Jorge disse...

O que são os finais
Se não recortes
QUe alguém trás
Os pontos
Onde fecham os cortes
Bons contos
Para o tonto
Se sentir forte
Que até onde sei
Fim nem na morte
Eu que deslizei
Admirado com seu porte
Com o universo que és
Beijei-te os pés
Não quero a saída
Prefiro lamber também a ferida
Que qualquer sabor
Da tua vida
Merece minhas reticências
E uma certa malevolência
Pra fazer sua dor
Nunca mais
Ter pontos finais...

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Não tenho a resposta às suas perguntas... mas elas se fixam em mim, como se fossem minhas...
Linda poesia em prosa...

Beijos e borboleteios!!!

Dois Rios disse...

Minha querida,

As mais lindas músicas e as mais belas poesias nasceram de uma dor de amor.

Creio que deva ser por esses meios que a dor vaza.

Beijos meus,
Inês

NAELA disse...

Bravo! Simplesmente tocante, profundo este sentimento...Palavras que navegam numa brisa suave e tocam no nosso intimo como uma voz sem rosto...
Beijo terno

Kanino disse...

Olá. Sou novo por aqi e tô impressionado. Acho q devias compilar estes textos num livro.

Kanino disse...

Olá. Sou novo por aqi e tô impressionado. Acho q devias compilar estes textos num livro.