27 abril 2009

Love me. Don't. Love me. Don't.

No balanço lancinante dos meus abismos apenas guerra e vermelho me sei oferecer. Qual gueixa e guerreira em torrentes de suor te sopro o oposto. Paz e luz. Não questiono silêncios.

Da minha fonte, te dou a beleza do mundo. A terra virgem. O sol desnudo. E o meu sorriso... ah...esse sorriso de menina-mulher que nascida da aurora desta incognita, que se verte na rima imperfeita apenas para aceitar-te nas idas e voltas circulares que o destino nos dispõe... Sei que o eterno acabou com tudo e o que não tinha fim esta distante de nós. Tudo se cumpriu. Nada estranho até ai.
Estranho é saber que nas entranhas de mim: Sinto que sim. Acredito que não.

8 comentários:

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

Um texto lindo de se ler, Avid.
Delicioso em todos os sentidos!

Beijos e borboleteios

Palma da Mão disse...

Parece que adivinhas miga...
Por isso gosto sempre tanto de vir aqui...a segunda parece que se inspirou no domingo:(...
Beijinhos linda e obrigada
Liliana

ParadoXos disse...

ainda bem que vim - saudades de chegar e absorver essa boa vibe sentida - aqui!!


Heduardo

A.S. disse...

Um texto repleto de emoções...
Sentes que sim!...
Afinal é isso que conta... o sentir á algo de inexplicável... o acreditar, quase sempre é falivel!


Ternos beijos...

Bela disse...

Uauuu!!!!
Amei.
Bjos.

Daniel Costa disse...

Avid

É como quem diz: malmequer - bem me quer - muito - pouco - nada!
Beijinhos,
daniel

L.S. Alves disse...

Complexidades de mulher.
Beijos moça.

DESIRE disse...

Que inspiração!
Beijos prometidos