26 julho 2009

Quietudes

Um momento que nao podia esperar...um silêncio para eternizar... Click!

Minha alma caminha em câmara lenta. Leve. Não me reconheço em telas cinzentas e nem trevas angustiantes. A falta de explicações para ser feliz submerge no bico dos sonhos, nas coisas simples, no vinho tinto, nas flores e na sinfonia de um beijo na boca intenso e húmido. O sangue das minhas consoantes está morno, no limiar do genuíno, cercado de memorias rasas, metafísicas, toques e borboletas fora do estômago.
A sede não me rasga o ventre, paira em mim apenas o verbo em construção, sorrir, amar, cantar, namorar... e a minha verdadeira fome acontece apenas por ter nascido. Ando morta de amores pelo inverno e exorcizar a felicidade, também requer escritas obrigatórias, coxas abertas, palavras desnudas, orgasmos monossilábicos, horizontes derretidos e alguns poucos momentos de delírio cantando as dez da manha Vander Lee:
“...
Tô relendo minha lida, minha alma, meus amores
Tô revendo minha vida, minha luta, meus valores
Refazendo minhas forças, minhas fontes, meus favores
Tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores
Tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho
Tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho
Tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho
Escrevendo minhas cartas, meu começo, meu caminho
Estou podando meu jardim
Estou cuidando bem de mim...”

9 comentários:

Nanda Assis disse...

bonito demais isso.


bom domingo,

bjosss...

OLHOS VERDES disse...

VIVE FELIZ
PENSA ALEGRIA
SENTE MARAVILHAS....

E ISSO PASSA.

BJAO

O2 disse...

Saudades de te ler assim AMIGA!

Estás com tudo dentro, gostei muito deste texto... seja lá onde foste buscar tal inspiração, avé poeta!!

Sobe morena!

:)

L.S. Alves disse...

Estive longe por tempo demais, mesmo assim não te esqueci.
Beijos moça.

Dois Rios disse...

Diva,

Essa letra do Vander Lee já foi, um dia, a minha bandeira. Hoje paira no vento da lembrança e me faz crer que a vida é uma sequência interminavel de "gerúndios".

Belas e tristes as tuas palavras, assim como deslumbrante a imagem que as adorna.

Beijo,
Inês

Bernardo Lupi disse...

O teu texto transmite uma bela imagem de auto-confiança e bem estar.
Boa semana para ti!

Eu sei que vou te amar disse...

A tua escrita confude-se com a beleza dos sons...sons se perdem em nos e que damos o nome de "sentimentos" e a alma veste de silencio a cada palavra tua!
Um beijo doce

The PoetHeart disse...

há que cuidar de nós mesmos...
" se eu não gostar de mim, quem gostará ? "
primeiro eu, depois eu, depois eu,......., no fim todos os outros!

Kiss kiss

Anónimo disse...

Ola, sou françesa de pais portugueses. Ja a anos nao tinha vimdo ver teu blog que adoro. Se me queres contactar
desculpa minha escritura mas nunca me ensinarao
ate breve
menina.gina@yahoo.fr