14 setembro 2009

Sabores


“Respiro o teu corpo

Sabe a lua-de-água.

Ao amanhecer,

sabe a cal molhada,

sabe a luz mordida,

sabe a brisa nua,

ao sangue dos rios,

sabe a rosa louca,

ao cair da noite.

Sabe a pedra amarga,

sabe à minha boca.”
[Eugénio de Andrade]

5 comentários:

Palma da Mão disse...

Lindas palavras que nos trazes em forma de flor com jeito de mulher, acompanhadas de uma imagem marota, cheia de ternura:)
beijinhos grandes

SuNshyne disse...

Oi miga!
Eu estou em uma situação que não to boa para falar de corpo e essas coisas!

KImdaMagna disse...

... a fala do corpo é sempre, sempre uma cálida linguagem.
A lingua mete nuances sempre inesperadas nos relacionamentos...


xaxuaxo

KImdaMagna disse...

...linkei TE no kimbo do KimdaMagna.
Sinto me feliz por te ter por lá... mereces...

xaxuaxo

O2 disse...

N conhecia o poema, lindo...