19 novembro 2010

Moments


Há tantas coisas que é só pra perder
E há outras tantas que é só pra esquecer
(Xutos e Pontapés)


Cheguei a casa mais cedo. Doem-me o pescoço e os pés. Queria-te o cheiro, o sorriso, a palavra roçada no suor de uma tarde perdida em sexo sem noção, inesperado e louco. Percebo que ou te tenho em migalhas...ou não te tenho. Simples assim. Parece loucura, mas nenhuma loucura é inofensiva, e me assusto com o que me vem a mente ( a vontade doida de me deixar penetrar por ti, de implorar que me fodas sem limites, de esperar ansiosa pelo jorrar do teu prazer dentro de mim). Acho que neste momento saber de ti já me bastava. Mas canso-me facilmente de esperas inúteis...talvez estes desencontros sejam apenas um sinal parvo que algum deus se lembrou de me mandar para que as lamparinas do meu juízo se acendam e me façam parar de ficar aqui expectante, quase uma mendiga sem eufemismo com o sangue fervendo e arrefecendo na esperança que do nada apareças e digas que és meu, mesmo não sendo. Nunca fui boa a gerir saudades. Quem sabe se te deixar ir como se tudo não tivesse sido apenas um mal entendido cósmico, não volte a mastigar a normalidade dos meus dias de forma simples em que emoções a flor da pele e ânsias de fogo são apenas...prosas.

5 comentários:

carlos.i disse...

ò delícia;

sempre me encanto quando venho aqui;

bjos

Vitor Guerra disse...

Seja a saudade, ou sejam as lamparinas apagadas do teu juízo... seja lá o que for preciso, que bom que é ler-te assim... nem que seja em migalhas...!

Kapikua disse...

tu é que me fodes todo com as tuas palavras...

Beijo

KImdaMagna disse...

...as tuas quenturas subindo na relação directa do aumento da minha vontade de ir por ti adentro... sem fim...
lá mesmo onde as plumas nos afagam os "Cernes"...

xaxuaxo

Raul Dias disse...

Adorei seu artigo... Impactante o sentimento de ter o que não se sabe se tem, procurar em palavras expor o desejo... me indentiquei muito com tudo...
belo..
um forte abraço..