14 julho 2011

Desvarios


É o meu mel
que eu cheiro na tua boca
É no teu pênis
que eu bebo a sede toda
Nos meus lábios abertos
que me vencem
eu nada devagar sem ter vergonha
É a lagoa - eu digo
de veludo
É o grito - eu sei
na raiva solta
É a proa do prazer
sobre o lençol
onde mais tarde vai rebentar a onda
Secreto é o ruído
dos corpos
no embate
Os elmos já depostos pelo chão
caídas as viseiras e as máscaras
o vestido misturado à armação
São fulvos os cavalos
com as patas cor do pó
tropeçando na paz adormecida
Eu levo a bandeira
do orgasmo
E "para tão grande amor é curta a vida".

(Maria Teresa Horta)

3 comentários:

KImdaMagna disse...

..ANJO FATAL!!!

XAXUAXO

Apolo disse...

que foto poderosa ;)

Apolo disse...

que foto poderosa ;)