14 outubro 2006

Hora de almoço


O almoço corria a meio de risos agradáveis e uma conversa animada. Éramos um grupo de cinco pessoas, duas das quais acabava de conhecer. Tudo indicava que iriamos trabalhar juntos num projecto que iria durar três meses. Foi ai que conheci o Ludgad um sueco muito pouco simpático que mal olhou para mim durante a reunião anterior e também durante o almoço. Achei que seria interessante chamar a atenção dele e tornar a conversa mais interessante. Tentei puxar assunto com ele mas apenas recebia monossílabas em troca, parecia frio e distante ao contrario do resto do grupo. Seus olhos azuis eram frios e completamente distantes e participava na conversa apenas quando a sua opinião era solicitada. Por momentos desisti de falar com ele mas como gosto de um bom desafio resolvi provoca-lo. Eu ia vestida com uma saia branca comprida, até aos tornozelos e uma blusa bastante discreta de tons verde fazendo jogo com os sapatos e a carteira. O cabelo preso num coque dava-me um ar bastante sóbrio. Pedi licença e dirigi-me a casa de banho e como sempre me aconselhei com o espelho que me ajudou a continuar o que tinha em mente. Retoquei a maquilhagem e tirei a calcinha preta que trazia colocando-a na carteira. Ajeitei a roupa e voltei para a mesa. Inclinei-me de propósito para ele para que ele percebesse que as marcas da calcinha tinham desaparecido e me sentei ao lado dele, abri a carteira e tirei o celular, mantive-a aberta para que ele visse a calcinha dentro dela. E foi exactamente o que aconteceu, ele viu-a. Reparei no olhar constrangido dele e num sinal completamente provocante bebi devagar o sumo no meu copo e cruzei as pernas acariciando-as de leve.
O jogo começava a excitar-me e o movimento das minhas coxas apertando o meu sexo era nada mais que delicioso. Lembrei-me do escorpião naquele preciso instante e resolvi partilhar com ele aquele momento. Mandei-lhe uma sms contando o que estava a acontecer, ele prontamente me pediu os detalhes que dei logo a seguir. Ele começou então a dizer-me exactamente como fazer e discretamente comecei a provocar o homem ao meu lado que aos poucos me dispensou total atenção. Toquei as coxas dele de leve o que o deixou ainda mais inquieto e a erecção dele foi impossível de esconder o que me deixava também mais sedenta naquele jogo de sedução. O escorpião pedia que eu lhe explicasse cada resposta do meu corpo e eu em detalhes dizia o quanto meus mamilos estavam rijos, o quanto me apetecia tocar aquele homem e não o fazia e como estava molhada de tesão por dentro. Ele me dizia a onde passar a mão sem parecer vulgar e principalmente sem chamar a atenção de terceiros. Afinal eu estava num almoço de trabalho. Continuamos nisso os minutos seguintes, o tom da conversa se tornou pessoal e aos poucos já nem percebíamos o resto do grupo. Ele estava totalmente entregue as minhas investidas, enquanto que o escorpião me mandava mensagens que me conduziam e ao mesmo tempo mensagens excitantes e deliciosamente eróticas que me deixavam com o corpo pedindo por mais, pedindo por um toque e a boca pedindo pelo sal da pele transpirada do meu escorpião.
Enquanto dividia a minha atenção entre o Ludgard e o escorpião ia apertando o meu sexo húmido com as minhas coxas o que fazia com que eu tremesse de desejo e assim continuei até que um leve orgasmo me tingiu em cheio o resto do corpo, ele percebeu e pegou na minha mão que tremia pelo acontecido apertando-a em sinal de cumplicidade. Notei que ele estava mais e mais excitado com a situação e tudo foi interrompido quando a minha chefe deu por terminado o almoço e disse que eu tinha a tarde livre. Imediatamente o Ludgard me ofereceu uma boleia dizendo que iamos para a mesma zona, engraçado e que ele nem sabia onde eu vivia.
Mandei de imediato uma sms ao escorpião que pediu que eu me afastasse por uns momentos que ele ia ligar-me. Foi o que fiz. Ele perguntou-me se eu queria levar o jogo até ao fim. Eu respondi que não, que tinha feito aquilo só para provocar mas que tinha ido longe demais e que não sabia como parar. Ele perguntou se eu tinha certeza de que queria parar. Confirmei e ele me pediu que a próxima mensagem que eu recebesse dele mostrasse ao Ludgard. Que não questionasse apenas o fizesse. Assenti e fui encontrar-me com o grupo que já estava fora do restaurante. Despedi-me deles e entrei no carro. Iamos os cinco no mesmo carro, eu ia ao lado dele e o outro senhor ao meu lado, as nossas pernas se roçavam a cada movimento do carro, no momento que deixamos as outras pessoas no trabalho entrou uma mensagem no meu cell que o escorpião pediu que mostrasse ao Ludgard. Depois de ler ainda fiquei na duvida mas assim o fiz. Ele leu e releu, parecia ter tomado um banho de água fria, entregou-me o telefone e permaneceu calado o resto do trajecto e somente me perguntou quando eu saia do carro se aceitava jantar com eles, a que respondi que não e...despedi-me com um beijo

6 comentários:

Su disse...

Fiquei curiosa para saber que mensagem seria essa do terrível escorpião ;-)

Diva, obrigada pelas palavras de apoio... tu sabes onde. :-)

Beijo doce

napurama disse...

Pois esse teu poder de MULHER fazeis do homem o que quereis!!! isso nao se faz SEDUTORA !!!!

Diva disse...

Su...
É um prazer receber-te aqui, sabes que além do escorpião foste tu quem me incentivou a escrever. Obrigado por tudo.
Bjs meus

Diva disse...

Naparama, querido...
Aconteceu apenas, sabes que não sou muito boa em controlar impulsos.
Bjs meus

MINETE REAL disse...

Jogos perigosos, mas emotivos..hummm
Ele hÀ escorpiões com sorte ;)

Beijo HUmido

Diva disse...

Minete real... nem tanto...nem tanto. Bjs meus