15 fevereiro 2007

C.B.



Conheci C.B. a pouco mais de um ano num site de encontros virtuais, numa sala de bate papo.
Chamou-me atenção o convite dele, pois fazia referencia a cidade onde vivo, coisa pouco comum naquela sala, nos conhecemos após muitos desencontros, porque por mais incrível que pareça não nos encontrávamos on-line ao mesmo tempo e apenas nos comunicávamos por mensagens deixadas por ele na caixa de correio do site as quais eu respondia. O engraçado disto tudo era saber que eu não correspondia ao perfil que ele procurava no site e nem ele correspondia ao que eu procurava lá. Mas algo nos empurrava de encontro a curiosidade de nos conhecermos e com mensagens cheias de boa disposição íamos na mesma direcção. Alguns dias depois ele me mandou o MSN e finalmente nos conhecemos.

Após as apresentações feitas descobrimos que vivemos na mesma cidade por dois anos, a cinco minutos de distância um do outro, que freqüentávamos os mesmos lugares (restaurantes, cafés, discotecas...) e até tínhamos conhecidos em comum, isso tudo sem nunca nos termos encontrado ou se isso aconteceu nenhum dos dois se lembrava. No momento do bate papo ele tinha se ido embora de Moçambique há apenas duas semanas e embora fosse apaixonado por este país não tinha previsão nenhuma de voltar. Seu contrato havia terminado e tudo indicava que jamais voltaria a trabalhar aqui, independentemente da sua vontade ele estava então a começar uma vida nova lá e lá tornaria a viver e trabalhar.

Descobri que C.B. é um homem de quarentas e poucos anos, português, divorciado, pai de uma filha linda, com um sentido de humor maravilhoso, cavalheiro q.b, lindos cabelos grisalhos, atrevido, entre outras coisas... A conversa entre nos fluía com facilidade, ele adorava me ouvir falar de como os nossos amigos estavam, dos lugares que ele visitava, do que acontecia na cidade, entretanto me falava da sua vida fria em Portugal, da falta que sentia deste calor, das suas namoradas...Entre nos crescia uma forte amizade, regada a leves insinuações de sedução e tesão, nada muito explicito mas bastante quente e provocante.

Nos encontrávamos quase que diariamente no MSN e falávamos das nossas vidas e paixões, segredos e desejos, coisas pessoais a quem não dizíamos a mais ninguém. Ele foi o primeiro a saber da existência do escorpião na minha vida, das aventuras fugidas com ele, dos momentos que me achei apaixonada e dos que me achei abandonada. Foi o único a saber e a opinar sobre o blog que agora é uma realidade, quando me descobri caçadora umas vezes e presa outras vezes, quando me apetecia chorar ou gritar, ele estava lá, sempre, a distância quase não se fazia sentir entre nós. Percebi então que algo em mim começava a nascer por aquele homem tão distante de mim, mas tão presente e de uma forma discreta comecei a afastar-me dele, não queria sentir o que ele me provocava sabendo que nada mais poderia acontecer entre nós. Aos poucos fui deixando de conversar com ele. Ele me chamava no MSN e eu não respondia, me fazia de ocupada, inventava uma desculpa e não lhe falava, precisava com urgência matar aquele sentimento que teimava em nascer! Assim foi, outros homens vieram, outros amigos e ele lá longe, já não nos falávamos com freqüência mesmo nos vendo on-line, apenas breves palavras e cada um continuava com seus outros velhos ou novos amigos virtuais.
Tudo mudou hoje!

Entrei no MSN na terça-feira e ele me chamou para conversar, por estar muito ocupada pedi-lhe que esperasse e que depois falaríamos, mas foi completamente impossível e sai sem lhe dar uma palavra. Hoje o vi on-line e o chamei para pedir desculpas pela terça-feira e saber porque ele andava sumido e a muitos dias não sabia nada dele. Viajando respondeu-me ele referindo que já não se encontrava em Portugal mas mais perto de mim do que eu pensava. Uma mistura de pânico e alegria me invadiu a alma e com medo da resposta a minha pergunta logo soube que tinha voltado, que se encontrava na cidade desde domingo e que me tinha tentado dizer na terça-feira e que só não o fez porque eu não o tinha dado chance alguma de me dizer que se encontrava de novo a poucos quarteirões de mim. Não sabia se acreditava ou não embora algo em mim não soubesse se rezava para ser mentira ou verdade.
Confirmado!

Nos falamos por telefone poucos minutos antes de eu escrever este post e promessas ficaram no ar... não sei o que será e nem como será o nosso encontro físico mas sei que estou ansiosa para estar com ele. Agora resta-me esperar e ver no que isto dá, mas uma coisa é certa tou imensamente feliz em saber que o meu amigo está de volta.
Bem vindo C.B.!!!!

4 comentários:

L.S. Alves disse...

Boa sorte Diva. Aproveite a visita.

Diva disse...

I.s.
Veremos no que da.
Bjs meus

Anónimo disse...

Nao tens coragem para ir ate ao fim. Hoje fiquei convencido... "muita parra e pouca uva"

Diva disse...

Todos temos os nossos dias de folga hehehe...ou nao?
Bjs meus