22 novembro 2008

Vidas passadas

Na verdade não somos almas gemeas como diz o poema, provavelmente sou apenas eu e tu. Uma só alma. Várias almas em cada nós. Tu céu e eu nuvem. Tu sol e eu chuva.

Quem sabe se me despires… Se me tocares e na melodia do silêncio conjugares meus ais com os suspiros que guardas em teu ser, nossas almas se fundam novamente como em outras vidas?
Quem sabe se te misturares... Se unires a certeza de que nunca nos pertenceremos no meu sexo molhado, explorando-me a legitima loucura, arrebatando-te em mim em cada movimento sincronizado e encerrando-te nas virgulas dos temores minha alma não descubras em mim a outra metade inquieta?
Quem sabe se me olhares… Se aceitares as fantasias que te assolam os sonhos, de deslizares indecente pelas vertigens e contornos que desaguam em caricias ousadas e nos trilhos das minhas imperfeições de ser comum, não encontres em fim um eu-teu que nem sonhavas existir?

Busco-te? Sim. Não. Sei que existes. Nada mais importa.

8 comentários:

Joseph disse...

Avid
Olá

Quem sabe se....
Tudo é possível no mundo dos sonhos, das fantasias, dos prazeres ousados....o prazer só finda se os desejos forem conseguidos.
...almas gémeas desencontradas!...

Beijos meus**

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Que texto mais belo encontro eu cá!!!
beijos e borboleteios Avid!

Three Love´s disse...

despir, misturar e (novamente) olhar...

bela receita;

b.e.i.j.o.s.

*** Cris *** disse...

A busca é incessante,mas vale a pena se vc sabe que ele existe.
Bjs!

Mahira disse...

ele existe, acredita! continua à procura pois depois valerá a pena!

Saltos Altos Vermelhos disse...

ele anda por aí ;)

kris disse...

ele existe sim...e não tens de procurar .. ele vai aparecer...

beijo

The PoetHeart disse...

voltei ao blog, voltei a ler as tuas maravilhas...
como sempre, adorei teus textos, tua sinceridade e sensualidade...

beijos...

By Poet