03 dezembro 2008

Acordei assim...

Escreverás meu nome
com todas as letras,
Com todas as datas
- e não serei eu.

Repetirás o que me ouviste,
O que leste de mim,
e mostrarás meu retrato
- e nada disso serei eu.

Somos uma difícil unidade
De muitos instantes mínimos
- isso seria eu.

Mil fragmentos somos,
em jogo misterioso,
Aproximamo-nos e afastamo-nos,
eternamente
- Como me poderão encontrar?

Novos e antigos todos os dias,
Transparentes e opacos,
segundo o giro da luz
- nós mesmos nos procuramos.

E por entre as circunstâncias fluímos,
Leves e livres como
a cascata pelas pedras.
- Que metal nos poderia prender?

Cecília Meireles

7 comentários:

O2 disse...

Nem o ouro!

Adorei o poema...

:)

Bjos

Cadinho RoCo disse...

Não se prenda em definir quem é ou quem são vocês. Via o que está ao dispor de suas vidas e seja feliz.
Cadinho RoCo

Anónimo disse...

loved it babes...looking foward to your next post !!! ;-)

Dawa disse...

Boa forma de começar o dia. :D
Beijinho

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Amo tanto Cecília que me emocionei com o texto e o vídeo!
beijos e borboleteios

o que me vier à real gana disse...

Olá, boa tarde!
Este é mais um blog que vale a pena. Parabéns!

Anja Rakas disse...

Então acordaste bem!

Bjs