05 dezembro 2008

Vidas ensaiadas


No burburinho dos surdos, pressinto-te em mim. Como já aconteceu. Como nunca aconteceu. Das outras vidas carrego sim, um saco cheio de memórias, pecados e sorrisos. Impulsos imortalizados na impossibilidade de te ter nesta vida.
Sabes? Jamais esgotei os nossos sonhos. A janela do nunca não se fecha para mim, mantenho-a sempre aberta e pronta para acontecer. Desafio os limites e a entediante quietude dos dias e das vidas que tenho sem ti. Respiro melhor no meio das tempestades, nas emoções bruscas e sem aviso, enchendo-me e esvaziando-me sempre que me revoluciono desvairada a procura das sombras sem culpas deste presente em que vivo. Nasci da tua ausência ( será que sabes disso?).

Pois é. A fonte dos meus afectos nega-se a secar. Mesmo as minhas feridas que saram deixam cicatrizes mais ou menos marcantes. Não as renego. Carrego-as na alma. São espelhos que evitam com que eu me perca nas caminhadas da minha biografia. Provavelmente te tenha arrastado comigo como amparo daquilo que não deixo morrer. Claro que a cada morte me perco um pouco, claro que a cada vida te nasço nas horas que sobram. Não me espanto com isso. Ser uma vida roubada tem destas coisas.

Não me vês e nem me ouves. Reconheces-me de forma incerta ou de forma nenhuma. Mas sem dúvida minha alma está certa em não duvidar que estou em ti, neste outro lado da vida, na melodia do que ainda o tempo não sufocou, no derradeiro milímetro de cheiro que sobrou, no engasgado poema por escrever, nos rubis da cutis daquela que te beija ao adormecer, nos sentimentos agrestes que guardas contigo, no rastro da estrela cadente que te devora o olhar.

Enfim… No meio desses pequenos nadas continuo viva. Não morri. Todos os dias serei recomeço para as próximas vidas. A muda guardiã dos teus sonhos. Não te assustes…amar-me faz (nos) falta.

8 comentários:

João da Silva disse...

Vida-Diva-Adiv-Dádiva...
Pequenos nadas... que conformam um tudo.
Você é linda, querida. Nas asas de seus pensamentos maravilhosos alço vôos siderais.
Obrigado pelo prazer reiterado que me dá, toda vez que venho aqui.
Beijos carinhosos do João

Miucha disse...

Gostei dos seus textos e de conhecer o seu blog. bjs

Anónimo disse...

Beautiful babes...miss u...maningue

janelasdavida disse...

Belo texto! Os pequenos nadas compoem o nosso todo...

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Pequenos nadas... Guardiã dos sonhos... Ah, que texto!!!
beijos e borboleteios

daniel milagre disse...

Avid

Acabei de ler o intessante texto proposto. De repente parecia-me das cartas, Sóror Mariana deixou. Nã há dúvida, saíu bem!

Por motivos técnicos, alheios á minha vontade, deixei de poder usar a mesma conta e de clicarno primitivo blogue.
Abri novo, deixo morada:

http://www.blogger.com/profile/18365468956488759820

Beijos,
Daniel

Bill Stein Husenbar disse...

Post interessante.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Mahira disse...

Muito bom!!!